Segunda-Feira, 5/02/2001


  LEIA HOJE
  Principal
  Brasil
  Ceará
  Charge
  Colunas
  Economia
  Esportes
  Fortaleza
  Internacional
  Opinião
  Política
  Roteiro Cultural
  Vida & Arte
  Há 30 Anos
  Há 50 Anos
  ESPECIAIS
  Carnaval 2001
  O POVO 73 anos
  Milênio
  SEMANAIS
  Ciência e Saúde
  Clubinho
  Delas
  [email protected]
  Jornal da TV
  Jornal do Leitor
  Layout
  People
  Turismo
  Veículos
  RÁDIOS
  Rádio AM do Povo
  Rádio Cidade 95,5
  Calypso FM
  SERVIÇOS
  Assinatura
  Classificados
  Concidadania
  Fale com a gente
  Informativo Semanal
  IPVA
  Material Escolar
  Pesquisar

Internet
Weblog já tem sua comunidade brasileira

Por serem ainda limitados, os weblogs brasileiros estão sendo reunidos e explicados por seus próprios autores. A entrosada comunidade está sendo chamada de ``vizinhança'', em que os blogueiros são vizinhos uns dos outrosbr>


Eu blogo, tu blogas, ele bloga. O termo já foi importado, adaptado e está sendo usado com muita naturalidade - e uma certa euforia - pela comunidade nacional de blogueiros, cada vez mais numerosa.

No weblog Concatenum (http//www.concatenum.com), há um recurso chamado ``Controle Remoto'' que permite que se navegue entre 80 dentre os principais weblogs brasileiros como se estivesse trocando de canais de televisão. ``Meu weblog também pode ser acessado através de computadores de mão Palm. Atualmente, é o primeiro e único no Brasil que está disponível para leitura nesta plataforma'', diz o analista de sistemas Denis Dias, que mantém o Concatenum.

Cerca de 25 weblogs brasileiros também já estão sendo reunidos no webring Arredores (http://42.cabaretvoltaire.com/), criado pela dupla de blogueiros Caio Caio e Jean Boechat. Autor do blog TelescÓpica (http//www.boechat.com/tele) e diretor de arte do IG Consulting, Boechat afirma que a revolução do blog ``está no fato de trazer de volta para a Web o conteúdo pessoal, que foi a base da criação e da revolução da Internet''.

``Quando alguém expõe um pensamento, uma informação ou apenas um fato relativo a sua própria vida, todas as outras pessoas se identificam de uma forma ou de outra. Isso era possível de ser feito antes do surgimento do blog. Antes, você precisava conhecer muito mais de HTML, programação e o escambau. Mas agora ficou mais fácil, mais simples e menos tedioso'', diz ele.

Linguagem hipertexto não é problema para a webdesigner Lia Caldas. Por isso ela não utiliza ferramentas como o Blogger para editar e atualizar seu weblog diariamente. ``Mas não acho que o Blogger, ou qualquer outro serviço destes, sirva somente para quem não tem conhecimento técnico. Com o Blogger, você pode atualizar sua página em qualquer computador que tenha acesso à Internet. No meu caso, eu preciso de, no mínimo, um editor de texto e um programa de FTP'', diz ela.

Como seu site (http://www.liacaldas.com/speed) é um dos poucos listados no indexador de páginas brasileiras Cadê quando se procura por ``weblog'', a webdesigner planeja fazer, junto a outra colega da ``vizinhança'' (como os blogueiros estão chamando sua comunidade na País), a uma sessão de respostas às dúvidas mais freqüentes dos internautas. (Thaís Aragão)



Facilidade de uso é principal fator de atração

Um dos primeiros divulgadores dos weblogs no Brasil foi o analista de sistemas Marcus Amorim, residente em Brasília. Até iniciar o seu blog (http//zamorim.eti.br), ainda não tinha encontrado nenhum em português. Segundo ele, sua insistência no assunto em listas de discussão no começo do ano passado (Lia Caldas soube através de um e-mail seu) não rendeu muito.

``Finalmente, no final de 2000, começou a se formar a comunidade que aí está'', diz ele. Com um interesse específico por sites pessoais, Marcus tinha descoberto a categoria antes mesmo de saber que se tratava de webblog. O primeiro que ele descobriu no Brasil foi
http//www.tn.com.br/~bernardo. ``Creio ser mais antigo e é um dos que eu mais gosto'', afirma.

Amorim também garante que seu blog só veio ao ar, há quase um ano, porque descobriu que os autores de blogs norte-americanos estavam usando muito o Blogger. ``Já tinha começado a fazer algo parecido no meu site mas a atualização era feita com muito pouca freqüência, porque eu não tinha uma ferramenta que automatizasse isso'', conta Amorim.
Flávia Durante, do Bla Bla Blog (http://fladurante.blogspot.com/) garante que não é especialista em Internet e não entende nada de design. Administradora de uma lista de discussão, ela diz acha que os blogs ocupam menos tempo que as listas e são sempre atualizados, atraindo mais atenção. ``Meu blog eu criei em outubro de 2000 e agora já esta com mais de 2100 visitas, mais que a metade de visitas da minha outra página pessoal, que criei em julho de 1999'', comenta. (TA)



Rapidez na atualização beneficia jornais on line

Apesar ser um prato cheio para quem quer se expor em um diário on line, os weblogs também são uma ferramenta alternativa para atividades como o jornalismo e a literatura. Assim faz o jornalista português António Granado. Ele atualiza de segunda à sexta-feira o Ponto Media (http://www.ciberjornalismo.com/pontomedia.htm), um weblog no qual comenta questões referentes a cobertura da imprensa, graduação, uso da Internet pelos profissionais da área etc.

Outro exemplo é o site http://www.onlinejournalism.com/e o E-Media Tidbits (http://www.content-exchange.com/weblog/weblog.htm), editado por Steve Outing e Amy Gahran, ambos envolvidos com a Rede. ``No meu trabalho e nas viagens que faço, encontro muita informação que vale a pena compartilhar com pessoas no setor de notícias on line e de conteúdo para a Web, mas não tenho onde publicá-las de maneira apropriada'', diz Outing em sua coluna na Editor & Publisher Interactive e no site Mundo Digital (http://www.uol.com.br/internet).

O serviço gratuito de criação e manutenção de weblogs Live Journal (http://www.livejournal.com/) é uma boa dica para jornalistas interessados na ferramenta. Além de permitir edição pela Internet, também oferece endereço para acesso no modelo http://www.livejournal.com/usuário.

Para escritores, o Writing Tree (http://www.writingtree.com/) é o tipo de serviço mais indicado, caso um weblog em forma de diário on line ser informal demais para as pretensões do autor.

Através do site, é possível postar capítulos de livros inteiros para serem lidos por internautas, que podem fazer comentários e escolher que tipo de leitura quer fazer e escolhê-la num bom banco de livros virtual. (TA)



``Eu acho muito pobre''

Em outubro passado, o historiador Eduardo Loureiro descobriu o Blogger e tratou logo de experimentá-lo em seu site (http://www.patio.com.br/). ``Antes usava FTP. Na época não tinha essa tecnologia e as pessoas passavam as crônicas do dia para mim e eu atualizava. Meu desejo é que elas pudessem fazer isso sozinhas, com o Blogger''.

Mas Eduardo viu que não era possível passar todas o material antigo para o weblog, pois eles ganhariam data atual. ``Isso é uma coisa que falta no Blogger'', aponta. Então ele resolveu fazer uma nova sessão, onde seis internautas postam notícias espetaculares verdadeiras ou alteradas, para desnortear o leitor.

``Hoje o blog é um relatório Web, um tipo um diário, ou uma lista de links que se viu no dia. Eu acho muito pobre. Para mim, o interesse era que se aproveitasse para algo mais literário, ou para notícias do bairro, da cidade'', comenta. (TA)



OUTROS SERVIÇOS E PROGRAMAS GRATUITOS PARA CONSTRUÇÃO DE WEBLOGS

GrokSoup http://www.groksoup.com/
Provê modelos de página de notícias, possibilidade do leitor comentar as postagens, edição baseada em site na Internet, calendário para busca fácil de arquivos, controle de HTML e ferramenta de mala direta (mailing list).

Squishdot http://squishdot.org/
Opção de moderação de artigos e comentários, busca por autor, tema, título e palavras, expiração automática de artigos, suporte a arquivos anexados, criação de subtemas com imagens associadas.

Grohol http://www.grohol.com/
Oferece download do programa Open Journal, para criação de arquivos, indexação e arquivamento mensal ou semanal automáticos, uso de texto plano ou em HTML, edição de arquivos baseada na Internet.

Pitas http://www.pitas.com/
Edição baseada em site na internet, endereço na linha usuário.pitas.com, modelos de páginas e controle opcional de HTML.

Edit This Page http://www.editthispage.com/
É possível mover o weblog para outro servidor de hospedagem. Oferece modelos de páginas, calendário, listas de discussão, boletins, colaboradores, endereço na linha usuário.editthispage.com. É baseado no aplicativo Manila.

Weblogue http://carotids.com/weblogue
Permite que mais de um usuário atualize uma só página, suporta HTML básico, oferece modelos de páginas e arquivamento e deleção de notas antigas. O programa Word é usado para checar a gramática.

VelociNews http://www.velocinews.com/
Não é necessário arquivar notas antigas, dá acesso a modelos de páginas e é possível ser operado com integração de programas de edição de páginas amigáveis com HTML.

Weblogger http://www.weblogger.com/
Também baseado nas aplicações para edição de páginas Manila - reúne em fóruns e listas de discussão a comunidade virtual que trabalha com essas ferramentas, principalmente webdesigners, trazendo boas dicas avançadas.



Dicionário

Weblog - publicação atualizada freqüentemente, cujos textos são sucedidos ou antecedidos pelo dia e pela hora em que foi postado.

Blog - weblog, para os íntimos.

Webring - ``anel da Web'', mecanismo que une sites afins em círculo, um se ligando ao outro até chegar ao ponto de partida.

HTML - Hypertext Markup Language ou linguagem hipertexto, utilizada na Internet para integrar texto e imagens a serem mostradas pelos programas navegadores.

FTP - File Transfer Protocol ou protocolo de transferência de arquivos, padrão para a troca de arquivos entre dois computadores através da Internet. É comum ser usado para enviar arquivos para o servidor que irá disponibilizar o conteúdo na Rede ou para downloads.

Webdesigner - profissional que cria páginas para a Internet e possui conhecimentos técnicos na programação de scripts.

Scripts - sequência de instruções técnicas que devem ser lidas por um programa. No caso dos navegadores, os scripts (uma linguagem fácil e leve) dizem como serão lidas as páginas da Internet.

Browser - programa navegador para se acessar as páginas na Internet. É o caso do Internet Explorer, Netscape, Opera etc.

Posts - o usuário pode editar as postagens e fazer uso de uma calendário para localizar os textos.

Settings - neste ítem o usuário pode escolher ou mudar configuração do blog, como fuso horário, título, descrição, status de público ou privativo, endereço, formato de cabeçalho, cronologia, idioma, freqüência de arquivamento, entre outros.

Template - daqui é possível mudar o código da página. O blogueiro pode utilizar HTML, ASP, entre outras linguagens de programação, ou verificar algumas dicas - em inglês - no final da página.

Team - lista de outros usuários que podem usar o sistema para fazer postagens, além do administrador.

My blogs - acesso rápido à página de edição de outros blogs do mesmo usuário.

Help - tópicos de ajuda com tira-dúvidas.

Post - ferramenta para postar textos.

Post & Publish - ferramenta para postar e publicar textos no blog.

Post to (nome do blog) - caixa onde o usuário digita o texto para depois postá-lo e publicá-lo no weblog.

* link para o weblog e ferramenta de segurança para que o usuário não publique nada que não queira inadvertidamente.

* Nesta área aparecem as últimas postagens feitas no weblog. Embaixo de cada uma, há um link para que o usuário possa editá-las (Edit).

* botão de ``publicar''
* Área dedicada à busca de textos publicados, que pode ser feita através do calendário, de palavras-chaves ou de um determinado período.


anterior Proximo


Participe. Envie sua opinião sobre este texto.